5 passos para implementar Agilidade na empresa

Olá, tudo bem com você?

De repente você teve os primeiros contatos com o tema agilidade e isso foi um marco em sua carreira, muitas ideias para implementar e a vontade de mudança está a mil na sua cabeça.

Mas tenha calma!!!

Mais importante do que implementar um modelo é internalizar a filosofia por trás do pensamento ágil. Existem vários métodos, certificações e cursos no mercado que ensinam a utilizar uma ferramenta, mas antes de sair por aí querendo implementar Scrum, Kanban ou SAFe pergunte-se:

Quais os motivos para mudar a forma como fazemos as coisas hoje?

 

Estamos dispostos a encarar mudanças e além disso, tê-la como algo bom na execução do projeto?

Estamos dispostos a deixar as informações, boas ou ruins em relação aos projetos, acessíveis a todas as partes interessadas e a qualquer momento?

Estamos dispostos a deixar o cargo ou a senioridade de lado para atuar como um time e fazer o que deve ser feito não ligando apenas para o que é “a minha parte” no projeto?

Se as respostas foram positivas para os questionamentos acima te convido a conhecer 5 passos para ajudar você a implementar Agilidade em sua empresa:

1 – Estude, estude e estude

Certa vez em 2014, no início de minha carreira em liderança de times, arrisquei-me a implementar Scrum na empresa onde eu trabalhava. Não me faltava coragem de encarar a mudança, o que faltou principalmente foi o conhecimento sistêmico sobre o framework.

Somado a isso, eu não conhecia ninguém que tivesse realizado este feito, eu nunca tinha lido sequer o manifesto ágil.

Você conhece alguém insano assim? Não deu outra, foi um desastre! A rejeição por parte do time foi clara e imediata.

 

Foi aí que eu percebi que nem só de ideias tocamos uma transformação, é necessário horas de estudo e conhecimento teórico e prático sobre o assunto.

Está pensando em implementar algum método? Estude-o a fundo, porque vão surgir perguntas e, muitas delas, você não terá respostas.

2 – Participe de uma comunidade

Outra coisa que influenciou em minha má experiência em implantação de Scrum foi que eu não estava envolvido em comunidade ágil alguma, não tinha ninguém para trocar experiência, tirar dúvidas, etc. Vivia em meu mundinho fechado achando que estava fazendo tudo certo e só colhia maus resultados.

Conheci a Comunidade Agilidade no Slack, através de um amigo de trabalho que era líder de QA na empresa. Lá tive a oportunidade de conhecer agilistas dentro e fora do Brasil.

Aliado a este momento veio a Comunidade da Mindmaster no Whatsapp que suporta mais de 430 profissionais na obtenção das certificações PSM e PSPO e a Comunidade Agile Curitiba que movimenta mensalmente os agilistas promovendo encontros nas empresas da Cidade. Hoje além da experiência para não cometer os mesmos erros, tenho o apoio de inúmeros profissionais que se dedicam dia e noite para melhorem suas práticas.

A melhor parte de participar de uma comunidade é saber que temos muito a melhorar

3 – Envolva seu time na comunidade

Melhor do que caminhar sozinho é estar com todo (ou quase todo) o time envolvido na transformação cultural. Promova, divulgue e convide membros do seu time para participar de comunidades que falam sobre agilidade.

No começo, quando o time não tem essa filosofia, temos que ser o evangelista do assunto. Às vezes dá até desânimo de ficar batendo na mesma tecla, fazendo os mesmos convites, etc.

Não desanime, continue a convidar e participar das comunidades, lidere pelo exemplo, seja agente de transformação, traga coisas que você aprende lá para seu ambiente de trabalho e aos poucos você ganhará seguidores.

As pessoas não têm o mesmo ritmo uma das outras, cada uma se interessará por agilidade ao seu tempo ou, talvez, nunca se interessarão.

4 – Comece de onde você está

Você não precisa chegar na segunda feira mudando todo o seu fluxo de trabalho, quer dizer, você já sabe como funciona seu sistema de trabalho para querer alterá-lo?

Você e todo seu time já sabem onde estão os principais problemas contidos nele? Toda mudança tem um propósito de melhorar algo e se isso ainda não está claro para todos, aconselho a você dar um passo atrás e fazer esse levantamento.

Talvez uma melhoria pode ser cumprir com o prazo de entrega, se comprometer com menos demandas, começar a dizer “não”, diminuir o número de bugs, não sei.

Aprendi em um treinamento de Kanban que evolução é melhor que revolução.

Fazer grandes mudanças além de trazer transtornos mexe com o psicológicos dos impactados pela novidade, veja na imagem abaixo o ciclo que as revoluções enfrentam:

A grande realidade é que a linha que parte da aceitação para a integração pode não ocorrer, e não estou falando de um grande espaço de tempo.

Dentro de um mês uma grande mudança pode custar bastante dinheiro, desconfiança generalizada e até mesmo o emprego de quem está a promovê-la. Então fique esperto, comece de onde você está e faça mudanças pouco a pouco.

5 – Tenha o apoio da gestão

A alta gestão de sua empresa já comprou a ideia de mudança cultural? Trabalhar com o apoio da gestão tem muitas vantagens.

Ela irá apoiar o time no período de transição de mentalidade (lembre-se da aceitação para a integração), remoção de impedimentos e quando erros acontecerem, ela dirá: estamos aprendendo e erros fazem parte do processo, vamos em frente!

Todavia, pode ocorrer da diretoria ser totalmente descrente de métodos ágeis e aí, o que fazer?

Faça evolução e não revolução! rs

Comece aos poucos,

junte o time no início do dia para alinhar o que será atacado no dia (daily),

depois reserve um tempo para analisar o que foi legal durante a semana e o que precisa ser ajustado, afiar o machado (retrospectiva),

depois coloque “todos mundo” na sala para falar diretamente com o cliente e tirar as dúvidas e decidirem como serão feitas as demandas (planning) e quando tiver perto de concluí-las

marque de apresentar o trabalho para o cliente (review).

Isso não precisa ser feito da noite para o dia, evolua esse processo durante uns 3 meses, depois você o chama do que quiser, talvez de SCRUM (estude o Scrum Guide para implementar o que ainda está faltando).

Garanto para você uma coisa, quando a diretoria de sua empresa ver os resultados, garanto que o apoio virá.

Essas dicas que trouxe para você fazem parte da minha experiência na transformação cultural que tenho desempenhado nas empresas.

Que estratégias você utiliza nesse processo? Quais ferramentas possuem uma melhor aceitação no mercado que você atua?

Deixe aqui seu depoimento e experiência.

Um abraço e seja ágil!

Lean: Transformação e Cultura
O Passaporte do Scrum Master